Publicações

Noticia - Postado em 19/08/2015 10:16:56
PRÊMIO ABBTUR 2015 MÉRITO & TALENTO

 ABAV EXPO INTERNACIONAL DE TURISMO 2015

PRÊMIO ABBTUR 2015 MÉRITO & TALENTO

 ABAV Expo Internacional de Turismo é considerada uma das maiores feiras de turismo da América Latina. Local de encontro, negócios e interação dos fornecedores da indústria de viagens. Excelente oportunidade para trocar informações, conhecer novos produtos e fazer negócio com agentes de viagens e profissionais do turismo que atuam em atrações turísticas, gestão pública, hotéis, veículos de comunicação especializados em turismo, transportadoras, artesanato, entre outros.

A ABBTUR Nacional – Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo, em parceria com a ICCABAV em 2015, pretende pelo segundo ano fazer essa homenagem de reconhecimento e valorização profissional aos Turismólogos do Brasil na semana do dia 27 de setembro, do Dia Nacional do Bacharel em Turismo - Lei 10.457/2002 e comemorando com o tema 2015, proposto pela OMT do                                     

Dia Mundial do Turismo

 “Um bilhão de turistas, bilhões de oportunidades “

A mensagem fala das oportunidades e desafios que o crescimento do turismo representa para a sociedade contemporânea.

À luz da recente encíclica do Papa Francisco, Laudato si’, o texto indica que o setor turístico, ao aproveitar as riquezas naturais e culturais, pode promover paradoxalmente sua conservação ou destruição. A mensagem também convida a uma “viagem existencial”

“Mil milhões de turistas, quando bem acolhidos, podem transformar-se em fonte importante de bem-estar e de desenvolvimento sustentável para todo o Planeta. A globalização do turismo leva, além disto, ao nascimento de um sentido cívico individual e coletivo. Cada viajante, ao adotar um critério mais correto pera percorrer o mundo, torna-se parte ativa na tutela da Terra. O esforço de cada um, multiplicado por mil milhões, torna-se uma grande revolução”

                                          Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes 

PRÊMIO

ABBTUR 2015 MÉRITO & TALENTO

Dia 24 setembro, às 18hs

 

A partir de 2014, a ABBTUR Nacional iniciou durante a Feira das Américas Expo ABAV 2014, tendo o município de Niterói/RJ como patrono, uma premiação de destaque, como forma de valorizar, promover e reconhecer 10 turismólogos que atuam com responsabilidade e destaque nas mais diversas atividades turísticas, dando-lhes prestígio e credibilidade profissional nas áreas do AGENCIAMENTO TURÍSTICO, HOTELARIA, EVENTOS, TRANSPORTES TURÍSTICOS, EMPREENDEDORISMO, GESTÃO PÚBLICA, CONSULTORIA, LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS, TERCEIRO SETOR, entre outros.

Anualmente a ABBTUR convidará um município para ser o patrono dessa premiação pioneira para valorizar e reconhecer por meritocracia esses profissionais, hoje reconhecidos pela Lei 12.591/12. Esse município deverá ter como gestor público um Turismólogo e que poderá usar esse convite como ação de marketing de destino e ação de política pública. E para tanto teria 10m de apresentação da gestão pública desenvolvida, como forma de promover o destino patrocinador da premiação. Em 2015, teremos o município de Garibaldi, como município patrono do Prêmio ABBTUR 2015 Mérito & Talento.

Uma comissão da ABBTUR avaliará de forma participativa, sugestões de nomes enviados pelos afiliados adimplentes após atenderem aos critérios e procedimentos estabelecidos para ganhar a premiação.

Já que a autoindicação não será permitida, todas as indicações deverão ser apresentadas de forma eletrônica e de acordo com as bases e termos do prêmio e devem ser enviadas através do formulário on-line até dia 10 de setembro de 2015. O formulário estará também no site da ABBTUR www.abbtur.org.br.

Barbara Toth, diretora geral da D&A Consulting, consultoria especializada em avaliação comportamental para o ambiente de trabalho afirma que, em pesquisa de 2012 (The State of Human Capital 2012: False Summit, McKinsey&Company), nos próximos anos enfrentaremos desequilíbrios significativos na oferta e demanda por pessoas com níveis de habilidades diferentes, que irão reformular drasticamente o mercado de trabalho. O estudo revela um panorama preocupante para 2020:

1. Apesar do aumento das taxas de conclusão de curso superior, os empregadores inseridos em economias avançadas poderão enfrentar uma falta de quase 20 milhões de universitários qualificados no mercado de trabalho.

2. Faltarão mais de 40 milhões de empregados com qualificação média, de grau secundário e profissionalizante.

3. A força de trabalho das economias avançadas pode chegar a ter 35 milhões de colaboradores sem formação universitária a mais do que os empregadores necessitam. Adicionando os países subdesenvolvidos, o número tende a superar a marca de 90 milhões.

A necessidade de as empresas gerenciarem seus talentos para reter as pessoas certas se torna, portanto, cada vez mais fundamental para o sucesso e a sustentabilidade. Pesquisa global da IBM com CEOs (2012) mostra que, na visão dos presidentes, a principal fonte de valor econômico sustentável é o capital humano (71%), seguida de relacionamento com clientes (66%) e inovação (52%).

Em outras palavras, teremos cada vez menos talentos e mais profissionais com baixas qualificações. Assim, em uma economia global – na qual o trabalho entregue é intangível, por ser majoritariamente intelectual, faz-se urgente começar a desenvolver pessoas com vistas no longo prazo.

Será avaliado o perfil do Turismólogo, que apresente e identifique:

a) Autopercepção muito positiva: o executivo brasileiro acredita ser melhor do que os outros e carece de uma visão realista sobre seus pontos de desenvolvimento.

b) Pensamento menos focado e carente de objetividade: segundo executivos estrangeiros, o brasileiro despende muito tempo para tomar decisões, enxerga problemas menos relevantes e, durante as reuniões, discute detalhes em detrimento da agenda. De acordo com estudo sobre equipes multiculturais, publicado em outubro de 2007 na Harvard Business Review Brasil, a diferença entre culturas quanto à tomada de decisão é enorme, sobretudo em relação à rapidez e ao volume de análise exigido. Os executivos brasileiros apresentam menor capacidade de resolver problemas sob pressão.

c) Criatividade: nossos executivos são vistos como muito inovadores, capazes de proporcionar soluções flexíveis para os problemas com seu “jeitinho brasileiro”. Entretanto, muitos estrangeiros questionam a eficácia desse “mecanismo de adaptação”, sobretudo no que concerne ao cumprimento de prazos e ao comprometimento com os objetivos das organizações.

d) Muita comunicabilidade, pouca objetividade: os executivos brasileiros destacam-se pelo foco nas pessoas e a capacidade de trabalhar em equipe, criar ambientes agradáveis e de se comunicar, devido a sua extroversão característica. Contudo, são vistos como menos objetivos no discurso. Em outras palavras, proporcionam bons ambientes de trabalho, mas pouco eficientes. Além disso, a falta de domínio de outros idiomas também é um fator impeditivo da boa comunicação.

e) Aparente habilidade nos primeiros contatos sociais: apesar dessa impressão, frases como “me liga na semana que vem” ou “vamos tomar um café”, muitas vezes, no Brasil, não contemplam o desejo de que isso, de fato, se concretize; quando alguém quer pedir algo ou algum favor, raramente vai direto ao ponto e desperdiça um grande tempo até alcançar sua verdadeira finalidade. Na realidade, construir relacionamentos duradouros no Brasil pode ser até mais difícil do que em outros países.

f) Flexibilidade: como o Brasil ainda é um mercado em construção e expansão, há muito por explorar, e as estruturas corporativas precisam dessa maleabilidade para competir nos mercados internacionais. Porém, o “jeitinho brasileiro”, em excesso, pode se converter em comodismo e negligência.

g) Descuido com prazos e horários: recorrente ponto de descontentamento dos executivos estrangeiros que trabalham no Brasil.

h) Determinação: as pesquisas qualitativas apontam que, apesar da determinação e garra para perseguir objetivos e procurar oportunidades, os executivos brasileiros falham no comprometimento com a organização. Segundo estrangeiros, os brasileiros parecem estar mais preocupados com os objetivos pessoais e em “levar alguma vantagem” do que propriamente com o alcance das metas corporativas, a não ser que haja benefícios e recompensas atrelados.

i) “Vestem a camisa”: quando um brasileiro se identifica com os objetivos e valores de uma empresa, seu compromisso é muito maior que o de seus pares na Europa ou outros lugares do mundo.

 

Diante desses apontamentos, pode-se concluir que os maiores gaps para os executivos brasileiros, hoje, estão na gestão de pessoas, liderança e visão de negócio. As “falhas” podem e devem ser eliminadas para que o Brasil continue com seu plano de crescimento econômico. E a melhor forma de trabalhar esses aspectos seria, justamente, aproveitar os pontos nos quais o executivo brasileiro se destaca dos seus pares estrangeiros: flexibilidade, adaptabilidade e extroversão.

É importante frisar que traçar perfis é uma tarefa dinâmica, uma vez que, em mercados globais, as características e estilos estão sempre em transformação, devido às relações interculturais. Assumir e compreender as idiossincrasias são os primeiros passos para diminuir conflitos e otimizar o desempenho das equipes. Outro passo seria implementar programas e processos de recrutamento (pessoas certas no lugar certo), além do desenvolvimento e gerenciamento de talentos de forma mais consistente e relacionada com as áreas de negócio e a sustentabilidade.

É fato: dentro das empresas, o que garante sustentabilidade ao negócio são as pessoas.

 

 

PARA INDICAR ALGUM PROFISSIONAL QUE TENHA O MERECIMENTO À PREMIAÇÃO, VER CRITÉRIOS E AFERIÇÃO DE COMPETÊNCIAS ESTRATÉGICAS E DE LIDERANÇA QUE ESTÃO NO FORMULÁRIO ON LINE CLIQUE <AQUI>.

E NA SEQUÊNCIA DA COMEMORAÇÃO ...

A Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo - ABBTUR Nacional, com o apoio da Coordenação Técnica da Câmara Temática de Regionalização do Conselho Nacional de Turismo e do Ministério do Turismo,

CONVIDAM para MESA REDONDA
“Categorização dos Municípios do Mapa do Turismo Brasileiro”

 

Moderação:
 Tur. Elzário Júnior – Presidente da ABBTUR Nacional e Coordenador Executivo da Câmara Temática de Regionalização do Conselho Nacional de Turismo

Participantes:
 Tur. Cristiano Borges - Coordenador-Geral de Estruturação de Destinos do Ministério
do Turismo.
 Dr. Moisés Vassalo - Professor do Núcleo de Pesquisa em Turismo da Fundação
Instituto de Pesquisas Econômicas – FIPE/USP.
 Ms.Dr. Mário Carlos Beni - ECA/USP - Afiliado Benemérito e membro do Comitê
Consultivo da ABBTUR Nacional.

Objetivos:
Conhecer e discutir a metodologia de Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro, instrumento previsto pelo Programa de Regionalização do Turismo e estabelecido pela Portaria MTur nº 144, de 27 de agosto de 2015. Seu objetivo é o de subsidiar a tomada de decisões estratégicas da gestão pública e orientar a elaboração e implementação de políticas específicas para cada categoria de municípios, de modo a atender suas especificidades, a partir do desempenho da economia do turismo.

Possíveis Questões/Reflexões:
1. Quais dados foram utilizados para se definir as categorias?
2. A categorização só considera dados oficiais?
3. Por que só foram utilizados dados do setor de hospedagem?
4. Os municípios da categoria A serão os priorizados, a partir de agora, pelo MTur?
5. A categorização é um processo estanque ou um município poderá mudar de categoria?
6. É possível incorporar outros dados à categorização?
7. Além da categorização, quais outros instrumentos o MTur considera para a priorização?
8. Como é elaborado o Mapa do Turismo Brasileiro? E quando será atualizado?
9. Todos os 3.345 municípios hoje constantes no Mapa do Turismo Brasileiro são turísticos?
10. Como ficam os 65 destinos indutores, após a categorização?

Para garantir sua participação, favor fazer sua inscrição antecipada clicando ˂AQUI˃

 

 

 


Autor: ABBTUR Nacional

voltar ver mais

 
 

 Parceiros